Copy
 entre as promessas de ano novo, 
um clarão. E se, no meio do caos, não houver silêncio? Na expectativa de uma lista de metas criativa, factível e inédita, deixe de lado as amarras e aceite as limitações. Saia das linhas dos planners, troque as palavras e mude os sentidos. Experimente descanso no lugar de procrastinação, use alívio no lugar de culpa e seja menos produtivo - se isso te fizer mais feliz. Lembre-se que a batalha é única, individual e por vezes solitária. Há até quem encontre alento em promessas alheias, mas quando nossas, essas são muito mais valiosas. 
Pensando em como compartilhar este texto?
Preparamos dois formatos de arte:
textão completo ou trecho impactante. É só escolher, salvar e postar! Ah, não esquece de marcar o nosso perfil: @newplan.journal. 
Verão chegou e tem playlist nova na área. Em parceria com nossa amiga e DJ, Clara Ribeiro, escolhemos só as melhores para ouvir enquanto lê.
PLAY>>
links que valem a leitura
 Calendários são para gerenciar nosso tempo, mas os planners nos fazem sonhar 
Na dúvida se os tão comentados planners funcionam mesmo, esta matéria compara o novo tipo de agenda com os antigos calendários. Cada um com seu propósito, os planners prometem a possibilidade de imaginar o futuro e idealizar as possibilidades. Ilusão ou prática, não sabemos, mas que tá todo mundo comprando um, isso é fato.
NPR (en)


 Como não sentir inveja 
Um papo sobre inveja justamente na época do ano que mais nos traz gatilhos sobre o tema. Ao contrário de outros pecados como luxúria ou ganância, a inveja é um sentimento mais discreto, que muitas vezes chega sem aviso prévio. De acordo com a treinadora de saúde mental e especialista em manifestações Roxie Nafousi, essa emoção pode estar nos impedindo de alcançar tudo o que desejamos na vida. Vem de dicas.
BUSTLE (en)

 As maiores tendências de viagens para 2023 
Se 2022 foi oficialmente o ano em que o mundo se abriu novamente, em 2023, os viajantes darão um passo adiante, buscando aprofundar suas experiências e com o intuito de gerar um impacto positivo duradouro nos lugares que visitam. Bora que vem coisa boa por aí.
CNN TRAVELLER (en)
Leu e lembrou de alguém? É só compartilhar o link da edição!
links que valem o download
 Fotolivro “Loiro Pivete: Da Margem ao Centro” (pt) 
Você pode nem saber, mas o loiro pivete é um movimento estético de descoloração e pintura de cabelo de jovens negros ao redor do Brasil. Este
projeto fortalece narrativas e valoriza a criatividade da moda periférica que atravessa estruturas, olhares e redefine noções de autoestima. Tão necessário.


 "Geração CTRL+Z" por Consumoteca (pt) 
Existe um grupo de otimistas que ainda acredita que geração Z vai tornar a terra um lugar mais sustentável. Mas existe também um grupo de pessimistas que acredita que a geração Z só quer saber de dancinhas e conteúdos superficiais na internet. Entre um e outro, existe este
estudo da Consumoteca. 
bate bola, ping pong, jogo rápido
com Natália Rios
De um ponto, o bordado. De uma técnica, a inspiração. Natália Rios é gaúcha, vive e empreende em São Paulo e nos faz acreditar que arte e criatividade vem muito mais de dentro do que de fora. Dona de um atelier e de uma escola de bordados, ela topou nos contar um pouco de sua sabedoria e jornada - pra lá de inspiradora. 

_Nati, conta pra gente um pouco da sua trajetória, carreira e da relação com o bordado?
Minha família sempre gostou de trabalhar com as mãos. Desde pequena, fui criada dentro de uma malharia da minha mãe e minha tia no Rio Grande do Sul, e sempre fui envolvida nas criações, coleções e desfiles feitos por elas. Logo aprendi a fazer tricot, crochet e outros trabalhos manuais. Também tenho uma história de amor pela dança - com 3 anos de idade, comecei a dançar ballet clássico, além de outros estilos. O corpo em movimento me serve de inspiração até hoje. Já na faculdade, me formei em Design de Interiores e Moda, mas aos poucos fui encontrando o meu caminho e minha verdadeira vocação. Em 2015, decidi estudar bordado na École Lesage, em Paris, e foi amor à primeira vista - fiquei encantada pela arte de bordar. Foi um período mágico, de muita dedicação e aprendizado. Quando retornei para o Brasil, tinha um desejo muito grande de compartilhar tudo que aprendi lá fora. Então abrir meu atelier e escola de bordado em São Paulo foi um desafio profissional e pessoal. Sempre fui cautelosa com os meus passos, focando em um degrau de cada vez. Minha chegada na capital paulista não foi diferente. Aos poucos, fui conhecendo gente, fazendo jornada dupla com outros empregos até, aí sim, poder me dedicar ao bordado. 

_Como é ser mulher e empreendedora no Brasil hoje?
Empreender nunca é fácil e empreender fazendo um trabalho 100% manual é ainda mais desafiador. Mas, às vezes, é também nossa chance. Enquanto existe o desejo de fazer algo diferente, único e especial, há os vários desafios do dia a dia - criar, encantar, vender, atender, administrar e cuidar do nosso negócio. É uma escolha profissional que exige muita persistência e amor pela atividade. Hoje, minha vida é toda dedicada ao Atelier e à escola. Há 7 anos venho tocando dessa forma e, muitas vezes, abro mão de tempo pessoal para estar aqui. Enquanto isso estiver de acordo com o que acredito e com quem eu amo, funciona. 

_Hoje você coordena o atelier e a escola de bordados, como é a rotina e os desafios de se empreender com arte no Brasil?
São dois negócios diferentes, mas que se retroalimentam e se completam. No atelier, temos o tempo do cliente, e na escola o tempo do aluno. Cada um com os seus perfis e desafios. Nosso trabalho tem um tempo próprio que vai na contramão do tempo que o mundo está indo - precisamos estar dentro de um sistema fazendo algo completamente fora dele. Precisamos acreditar que estamos no caminho certo e ter disciplina a cada ponto para seguir em frente e viver dessa arte. 

_Atualmente, somos consumidos por uma avalanche de conteúdo. Como você se inspira e mantém a criatividade e olhar aguçados, sem cair na mesmice?
Eu não dou muita bola para essa avalanche de conteúdo que vivemos, acredito que quando trabalhamos com arte, olhamos e prestamos atenção muito mais no que vem de dentro do que está ao nosso redor. Meu pai é fotógrafo e sempre contou muitas histórias de suas viagens pelo mundo. Acredito que isso me inspire muito mais do que tantas coisas que vejo por aí. Para mim, o bordado vem da alma, do momento, de histórias que vivemos, dos nossos valores e referências. Não gosto de repetir o mesmo tipo de bordado, preciso estar sempre me desafiando e criando coisas diferentes. Preciso estar sempre me surpreendendo.  

_Sua maior reinvenção de quarentena foi...
Por um momento achei que o mundo tivesse o nosso tempo, o tempo do bordado. Com isso, aprendi a ter mais paciência na rotina, foi transformador. 

_Aqui a gente tem um lema que é "dica boa a gente compartilha". Fala pra gente uma dica de série, filme, perfil, livro, ou qualquer outra descoberta que valha a pena ser compartilhada.
Um filme:
TAKUMI, na Amazon Prime, que conta a história de 60,000 horas sobre a sobrevivência da arte humana. Takumi é o nome dado aos mestres artesãos japoneses. Estes dedicam uma vida inteira à sua arte. Um perfil para indicar seria @comitecolbert, que fomenta a ideia de desenvolver o gosto pela arte e cultura francesa, um poço de inspiração. Por fim, um lugar, as ilhas de San Blas no Panamá.

 1. Ainda obcecado pelas listas de fim de ano? Este site reúne todas. 

 2. A pasta no Drive que tá todo mundo querendo - a dos relatórios de tendências.

 3. Este site de calcula quanto tempo cada livro demora para ser lido. 
Vale lembrar que toda semana compartilhamos a planilha GIVE&GET pela qual você pode se conectar com pessoas que fazem parte da nossa comunidade. Além disso, deixamos disponíveis todos os downloads que já rolaram por aqui na nossa pasta NEW PLAN RESOURCES. Ilustrações Carol Coura.
responde esse e-mail? queremos conversar
@newplan.journal
Website






This email was sent to <<E-mail>>
why did I get this?    unsubscribe from this list    update subscription preferences
New Plan Journal ® 2020 · São Paulo · São Paulo, SP 05018-010 · Brazil