Copy



Macroscópio

Por José Manuel Fernandes, Publisher

Boa noite!


 
 
Isto ainda vai acabar mal. “Isto” é a Grécia, pois todos os dias se sucedem notícias de que é pouco ou nenhum o avanço nas negociações. Ontem, como já aqui referimos, soubemos que o FMI não acredita que haverá acordo com a Grécia e que a União Europeia considerou "improvável" que qualquer acordo possa ter lugar ainda este mês. Hoje o cenário adensou-se, com a notícia de que Berlim prepara "default" de Atenas sem saída do euro, um cenário impensável há poucas semanas, isto enquanto o seu ministro das Finanças olhava para a degradação das contas gregas - Greece downgraded further into 'junk' as black hole in public finances widens – e não hesitava em afirmar que o governo grego "destruiu" economia do país.
 
Mesmo assim não vou ocupar muito deste Macroscópio com a Grécia, vou apenas chamar a atenção para uma reportagem de Tony Barber, do Financial Times, em Atenas - Sun is shining, restaurants are full and Athens is far from panic – porque tem uma passagem que me pareceu muito reveladora:
I found myself on Tuesday evening outside an Athens souvenir shop selling a T-shirt with this slogan:
To be is to do – Plato
To do is to be – Aristotle
Do be do be do – Sinatra

Shop owners at Pompeii must have sold items like this in the summer of AD79, just before the eruption of Vesuvius.
 
Fecho o tema grego com uma outra sugestão: a de uma interessante reportagem da Spiegel sobre as duas “metades” do porto do Pireu, a que é gerida por uma companhia chinesa, e a que continua a ser gerida pelo Estado grego. Chama-se One Port, Two Worlds: China Seeks Dominance in Athens Harbor e é bastante instrutiva. Pequena passagem:
In the span of four years, Cosco has quadrupled container traffic, to just under 3 million units a year. If all goes well, annual capacity will be expanded to 6.2 million containers in 2016. (…) The former state-owned terminal -- where harbor unions formerly ruled and ancient diesel-powered pallet trucks once drove around -- has been turned into a highly profitable business. Piraeus has become the story of two worlds -- that of the turbo capitalism of the successors to Mao Zedong on the one side, and a market economy that can move as slowly as a Socialist one on the other. Some people see the port as a symbol of the country's future. It's an image that is a horrific one for many, including a large portion of Syriza voters.
 
À margem da discussão grega, há uma outra discussão que interessa seguir: a que atravessa os partidos socialistas e sociais-democratas europeus, que tantas dificuldades têm tido para se manterem no poder, ou voltarem ao poder. No Real Clear World, Kaj Leers explica bem os seus dilemas em Europe's Leftist Dinosaurs Are in Trouble: “Leftist think tanks, economists and political scientists have for years sought the Holy Grail of new progressive politics. Should the focus be on what is called pre-distribution (higher wages, a living wage, lowering the burden of health care costs) or classic redistribution through progressive tax systems? Or perhaps a mix of both? In countries where taxes are already high, progressive-tax redistribution is increasingly unpopular, including among leftist middle-class voters who realize that they too are in the higher income brackets. Pre-distribution policies, meanwhile, are unpopular in business circles, as higher wages will reduce competitiveness.”
 
Passo agora a outro tema que os leitores do Macroscópio saberão que me preocupa: a de como voltar a fazer crescer a economia num mundo desenvolvido onde isso é cada vez mais difícil ou mesmo impossível. Desta vez o meu ponto de partido é o aviso - em forma de provocação - que deixei hoje, nas páginas do Observador: Os políticos deviam ser proibidos de fazer promessas. Isto porque o meu prognóstico continua a ser relativamente sombrio: “Vamos ter de nos habituar a viver com pouco crescimento económico, o que significa que não há espaço para fazer promessas ou alimentar expectativas. Com ou sem austeridade, o tempo não volta para trás”.
 
Nesse texto faço referência à discussão que medra entre os macroeconomistas sobre se estamos no início de um longo período de estagnação económica ou apenas perante uma crise derivada do excesso de poupança e timidez no investimento. Algumas referências:  
Para terminar este Macroscópio muito centrado na economia, mais duas reflexões desta área, estas da imprensa portuguesa:  
E por hoje é tudo. Bom descanso, boas leituras e (mesmo podendo ir um pouco tarde), bom futebol.
 
Até amanhã. 

 
Mais pessoas vão gostar da Macroscópio. Partilhe:
no Facebook no Twitter por e-mail
Leia as últimas
em observador.pt
Subscreva
as nossas Newsletters
Observador

©2015 Observador On Time, S.A.
Rua Luz Soriano, n. 67, Lisboa


Se pretende deixar de receber a Newsletter Macroscópio clique aqui